quarta-feira, 9 de agosto de 2017

BUZO ENTREVISTA LITORAL NORTE. Conheça a dupla Haroldo & Jabah.

Por: Alessandro Buzo

***



Quem é o Haroldo pelo Jabah.... e o Jabah, pelo Haroldo ?
Haroldo:
O Jabah é meu irmão, meu camarada. O parceiro de música que mais me entendeu até hj, nesses 20 e tantos anos de música que eu tenho, tocando com diversos amigos pelo Brasil afora.
Meu amigo pessoal, além de profissional.
Um cara que eu admiro e respeito muito.
Jabah: Haroldo é antes de tudo um grande amigo, um amigo e parceiro musical que faz com que meu trabalho seja prazeroso e isso é muito importante pra mim.

***

Como conheceram a música ?
Haroldo:
quando eu tinha 12 anos, morava num lugar chamado Balbina, no interior do Amazonas.
Eu e minha família frequentavamos uma congregação evangélica nesse lugar.
Ganhei um violão do meu pai, afim de que eu substituísse o músico que tocava nessa congregação, que estava mudança pra
cidade.
Toquei vários anos na igreja e depois segui o próprio rumo conforme me tornava adulto.
Jabah: Nasci em ambiente musical, todas as festas tinham musica ao vivo de qualidade, sempre vários instrumentos por perto, sempre a Vó, o Avô os tios cantando, assobiando, enfim, ilhado por musica.

***

E o dia que disseram, sou músico, vou viver disso ?
Haroldo: em 1992, me mudei de Janaúba-MG para Belo Horizonte afim de montar banda, conhecer outros músicos e tentar viver de música. Foi quando eu ganhei meu primeiro cachê como músico. Tocava em duplas, trios, bandas mas eu era baixista. No máximo acompanhava cantores com violão
Mas 18 de abril de 1994. Foi a primeira vez que me apresentei sozinho, violão e voz. Esse dia tbm é aniversário do meu filho, por isso guardei a data.
Eu considero meu “caminho sem volta” na música ,o dia que consegui tocar só. Portanto 1994
Jabah: Putz, faz tempo, mas foi acontecendo, porém é um sonho de criança.

***

Qual a trajetória musical antes de chegarem e ficarem em Boiçucanga ?
Haroldo:
kkkkkk…
Acostumado com as muitas mudanças de cidade já na época que eu morava com meu pai que trabalhava em grandes construtoras (filho de peão de obra) andei por muitos lugar.
Janaúba e Belo Horizonte foram as primeiras, mas em Minas, morei e toquei em várias cidades do norte de minas.
Monte Claros, Janaúba, Januária, Pirapora, Jaíba, Coração de Jesus, Montalvânia, Porteirinha, Mato Verde, Monte Azul, Espinosa… enfim! Isso só no norte de Minas.
Também toquei muito no sul da Bahia: Guanambi, Caitité, Cocos, Brumado…
Morei em Ribeirão Preto, São Joaquim da Barra, aqui no interior de São Paulo e tocava tbm em cidades da região…
Ipuã, Orlândia, Batatais, Franca, Ituverava, Guará…
Morei no sul do Paraná algum tempo em Pato Branco e tbm tocava nas cidades da região tipo Guarapuava…
Em 1999 morei 6 meses em entre Feira de Santana e Itaparica na Bahia vivendo de música
Antes de vir pra cá, morei em Suzano-SP e tbm tocava na região. Mogi das Cruzes, Arujá, Santa Izabel, Poá, Itaquaquecetuba, São Miguel e por aí vai...
Jabah: Comecei no Bexiga SP, aconteceu os Ostras, saí pelo Brasil e já tinha uma casa alugada aqui, quando a banda enfraqueceu vim ficar definitivo apesar de sair pra tocar fora as vezes, o que gosto muito.

***

Como e porque vieram morar em Boiçucanga, quando foi isso ?
Haroldo:
eu vim pra cá em 2009.
Cheguei dia 1 novembro desse ano com intenção de ficar só a tempora da de 2009/2010 e alguns meses depois, ir embora.
Vim procurando o que sempre procurei nos lugares onde andei: um lugar onde meu trabalho fosse mas aceito, o tipo de repertório que eu faço.
Em 2009 por não estar gostando do rumo que as coisas iam em Suzano, resolvi procurar outros lugares.
Eu não conhecia aqui nem por foto kkkkkk
Por indicação de uma amiga, resolvi tentar aqui às cegas.
Minha namorada na época (hj minha esposa) veio aqui, alugou um casa, me contou por telefone como era o lugar e 2 meses depois eu cheguei de mudança.
Um colchão no chão, um violão e meu equipamento de som kkkkk
Jabah: Por ter essa profissão maravilhosa que o campo de trabalho é enorme decidi fazer no litoral o que eu fazia em São Paulo.

***

Hoje Haroldo & Jabah fazem um duo de blues, jazz, rock, bastante conhecido na região do Litoral Norte por tocar em diversos restaurantes, pousadas e eventos, quando que vocês se conheceram ? E como se deu de tocarem juntos ?
Haroldo: o Silvião, dono de um restaurante daqui, foi a primeira pessoa que abril às portas pra eu tocar por aqui.
O Silvio era amigo de longa data do Jabah e um dia resolveu nos apresentar musicalmente.
Já de cara nos entendemos bem no palco.
Ao longo dos anos, fomos nos ajudando e chegamos a esse formato que tá hj. Que tbm não tá permanentemente definido.
Como tocamos, o quê tocamos, quem faz o quê?…. isso tudo vai mudando com o tempo e continua mudando até hj.
Jabah: Foi a oito anos mais ou menois,,,ele tocava e ainda toca no Republica das Bananas e eu sou amigo dos donos e também toco lá a anos,,,,,o dono Silvio falou que eu tinha que

***

O que é mais difícil de tocar as vezes pra pouca gente, outras numa muvuca danada ? Como vocês olham e dizem, hoje é assim, ou não ?
Haroldo: na verdade, pra mim, o mais difícil é tocar quando não há resposta do público. Quando a feedback demora.
Isso é muito mais difícil que ter ou não ter pessoas.
As vezes tem pouca gente na casa mas o feedback tá show. A gente se sente num estádio.
Outras vezes a casa tá cheia, mas por alguma razão esse “retorno do público” demora a vir. Isso deixa as coisas muito difíceis.
Mas os anos de experiência ajudam muito e graças a Deus sempre acertamos o “time” do show.
Jabah: gosto muito de tocar pra muvuca, não ligo se não tiver ninguém pelo ponto de vista musical, eu amo o que faço, só me chateio quando dá vazio pelo lado financeiro, mais do lado do contratante do que do meu\nosso, posso falar pelo Haroldo, que também sente pelo contratante quando não dá publico.

***

O que vocês gostam no Litoral Norte, Boiçucanga e região ?
Haroldo:
eu gosto do que é de graça aqui kkkk
Aqui é lindo!!
O mar, esse vegetação exuberante que encontra o mar, o terreno morrado, a quietude do inverno, toda a festa que o verão traz pra cidade, as pessoas locais desencanadas, e ter encontrado um lugar onde as pessoas gostam do que eu toco.
Isso foi bom d+ kkkkkkkk!
Jabah: Olha, se perguntar o que eu não gosto vou ter que pensar muito pra responder, então gosto de quase tudo.

***

Vocês tocam várias noites durante a semana, o que gostam de fazer quando estão de folga ?
Haroldo:
não sair na noite kkkkk.
Curtir a família,
Filmes e séries
Fazer comida e comer beeeeem, lógico!
Ver os amigos fora do trampo
Viajar...
Jabah: Comida.

***

Música é ?
Haroldo:
TUDO!
Me deu o que eu tenho
Me levou onde eu quis ir.
Me trouxe até aqui.
Me fez responsável e respeitado
Me fez conhecer muitos amigos
Eu choro ouvindo música, eu sorriu ouvindo música, me emociono, me dá ânimo, me fazer dormir, preenche os meus dias.
Meu mundo teria muitas lacunas se não houvesse música no mundo.
Como dizem por aí...
E se ela não existisse, eu inventava kkkkkkkk
Jabah: O quinto elemento.

***

Considerações finais e um salve pra quem leu essa entrevista ?
Haroldo
: Muuuuuuito obrigatório a todos que tiveram paciencia de ler esse post kkkkkk. A ideia era falar um pouquinho da gente, da história da gente pra pessoas que nos conhecemos, nos acompanham por aí. São vários amigos dando força e é por isso que a coisa acontece.
Muuuuuuito obrigado a todos
Forte abraço!
Jabah: estou vivendo um bom momento musical e espero estar retribuindo quando toco e canto.Quero expressar que esse momento que eu vvo não acontece sem ajuda,,,,parceria,,,,amigos,,,publico ,,,,enfim,,,,onde estão inclusos todos vcs.
Obrigado Haroldo, Buzo, Cartola e a todos que estão acompanhando.
Beijão



Haroldo



Jabah

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Entrevista exclusiva com Brisa De La Cordillera

Entrevista exclusiva com a chilena "Brisa De La Cordillera", que vive no Brasil e é MC.
Vamos saber mais sobre ela, suas ideias e referências.
Fale a pena conferir, vamos lá ?




Alessandro Buzo: Quem é Brisa De La Cordillera por ela mesmo ?
Brisa:
Brisa de la Cordillera é plural. É Brisaflow. É música, mulher, mãe descabelada, filha teimosa, Collío da cidade grande, sereia dos flow, mina de minas, bruxa da vassoura, soninho do sofá e do busão, (não posso sentar que já era) amante da rua, sedenta por cultura, viceral, de lua, mulher que corre com lobos e corre deles também de vez em quando rsrs. Da zoeira, alegria, melancolia e poesia. Em constante metamorfose, tipo a libélula, muitas transformações, sempre correndo. Energia pra trocar, aprendiz da vida.

Buzo: O que te trouxe do Chile pro Brasil, quando foi que venho ?
Brisa: A ditadura de Pinochet fez meus pais saírem do país. Minha mãe fez esse rolê com nove meses de gravidez. Passaram pela Argentina e depois chegaram aqui, em SP, na Sé ficaram uns dias e depois foram pra Minas Gerais. Inverno de 1987.


Buzo: VC morou em Belo Horizonte antes de São Paulo, fale da sua vida nessas capitais ?
Brisa: Meus pais artesãos precisavam de um lugar pra vender e aí foram pra BH fazer as feiras da Afonso Pena domingo. Só que a gente foi morar em Sabará, região metropolitana. Cresci nas feiras de artesanato, tinha diversas artes e comércio, foi legal, fiz muita amizade. Jovencita ia pra BH final de semana, maleta - matriz - mais tarde o duelo de mcs. Eu vivi essa ponte BH-Sabará uns 17 anos direto. Depois morei no M.Goretti no Jardim Vitória e no Ipanema. Voltei para o Sabará. Quando resolvi vir pra São Paulo vim na sede de aprender mais, trazer minha música, amadurecer e trabalhar. Gosto de São Paulo. Sinto a diferença das duas capitais mas aprendi gostar de cada uma a sua maneira.


Buzo: Como foi participar da REVISTA/LIVRO "Mulheres de Palavra" ?
Brisa: Foi maravilhoso. Uma honra. Só mina foda. É importante que caminhada e o trabalho dessas mulheres seja registrado e compartilhado, gratidão a Ketty e todos que fizeram o Mulheres De Palavra.


Buzo: Você teve um professor de música que vc cita como fundamental na sua vida, a música tem o poder de mudar uma vida, uma trajetória ?
Brisa: Sim o Seu Sebastião. Ele era maestro e dava aula numa associação do bairro. Eu passava lá na rua dele e ouvia ele tocando trombone. Eu já era locona com música, doida pra aprender. Um dia bati na casa do Seu Tião e perguntei se ele podia me ensinar. Eu tinha 11 anos. Ele me mostrou vários VHS de jazz e de orquestra. Eu não entendia inglês mas a música falava comigo. Me ensinou desde o básico de teoria. Me botou na banda me ensinou tocar clarinete. E uma janela no meu mundo se abriu. Igual quando fui descobrindo os raps. Música lá em casa era vista como arte-arma de protesto. Acho que por isso o rap bateu legal no peito. Os discos. Os cantores. A mensagem chega. A gente vai absorvendo. A música tem esse poder sim. De entrar em você, te tocar, transformar as coisas ao redor. Todo mundo tinha que ter aula de música nas escolas, centros culturais, porque ajuda em todos aspectos e quem quisesse seguir carreira de músico ia ter uma base pra tentar entrar em conservatórios e facul que segregam tanto.


Buzo: Quais suas bandeiras de luta ?
Brisa: De liberdade e empoderamento dos oprimidos, contra o ódio e violência do opressor.


Buzo: O Rap venho pra VC .... quais suas referências ?
Brisa: O rap veio aqui no Brasil. Troca de fita k7 com amigos. Chegou muita coisa boa no meu radinho. Fugees e Racionais faziam minha cabeça. Depois frequentando as festas de rap vi a Áurea do Dejavu rimando e endoidei a cabeça. Black Alien também. Hoje minhas referências se atualizam. Ainda escuto os clássicos mas tô numa fase das minas Little Simz, Ibeyi, Dana Suárez, Bibi, elas todas me representam e são grande referência pro meu trampo.


Buzo: O que o Hip Hop representa na sua vida ?
Brisa: Esperança, revolução, transformação, alimento, resistência.


Buzo: Se fosse destacar uma mulher, quem seria ?
Brisa: Do Brasil a Sharylaine que foi a primeira de nós a gravar um rap e hoje continua sendo resistência e luta.


Buzo: Fale da Frente Nacional Mulheres no Hip Hop - BR ?
Brisa: Somos mulheres trabalhando em várias partes do Brasil, pelo hip hop e nos unindo pra continuar sendo resistência em uma sociedade que nos quer silenciadas.


Buzo: VC participou do Sarau das Mulheres contra o golpe, como vê essa questão do GOLPE e da Resistência ?
Brisa: Eu não era nascida em 64 mas ouvi meus pais falarem bastante sobre os golpes da América Latina. Bate uma deprê muito grande ver os deputados e outros governantes que temos. Mas não adianta chorar, a luta continua. Vamos em todos atos que pudermos e nos organizar. Acho que a esquerda tem que resistir. As frentes, os coletivos, os grupos. Com todos os tipos de manifestações. Não podemos permitir outro golpe. Os caras estão lá no poder, rindo da nossa democracia rasgadada por eles ao vivo na tv. Golpe é retrocesso. é ameaça a liberdade pq sabemos tudo que essa direita suja compactua que vai contra as causas que lutamos e acreditamos. Sem falar que pedir Impeachment sem causa é a maior doideira. Manipular a população pra misoginia e intolerância sim que é um crime. Pra mim isso aí é o maior machismo da história da nossa política. A mulher lutou pela nossa democracia, foi presa, torturada e aí vem o outro deputado infeliz e tem coragem de mandar um salve e homenagem em rede nacional pro militar que foi seu torturador ? Que absurdo! Querer tirar uma mulher simplesmente porque ela não cedeu a todas ordens da corja, porque ela peitou e irritou com as decisões que resolveu tomar? Todos podemos ter opiniões diferentes sobre política mas não podemos perder a noção. Fazer imagens com a cara da presidenta, falar do seu corpo, da sua opção sexual, usar palavrões pra ofendê-la por aí vai é violência contra mulher. Isso é grave. Em um país que tem a média 13 mulheres mortas por dia. E as crianças? Quantos meninos foram influenciados a serem misóginos com os comentários que ouviram dos adultos sobre a presidenta? Aí fica a questão: Se não respeitam nem a presidenta vão respeitar outra mulher? Se ela fosse homem isso estaria acontecendo? E se acontecesse seria tão desrespeitoso ? Tenho inúmeros questionamentos sobre o governo atual, muita coisa por fazer, muita utopia, mas não posso e não acredito que o partido "dos em cima do muro", que quando convém é direita e quando convém é nada, vai ser melhor pra nosso povo. No game é tudo pelo $$$. Isso aí tem cara de golpe inspirado no seriado House of Cards. Tudo bem pensado pelo vice e pelo presidente da Câmara. Por isso a gente tem que ir atrás da informação. Resistir, é hora de se fortalecer, se organizar, porque se não a coisa só vai piorar.


Buzo: Feminismo ?
Brisa: Libertador .Interseccional. De mãe, de rua de #greloduro.


Buzo: Um livro ?
Brisa: Pode dois? Veias abertas da América Latina do Eduardo Galeano e Sejamos todos feministas da Chimamanda


Buzo: Um filme ?
Brisa: Marighella



Buzo: Um cantor, cantora ou grupo ?
Brisa: Nina Simone e Violeta Parra. Descansem em paz maravilhosas, vocês merecem a glória do paraíso das Deusas.


Buzo: Um sonho ?
Brisa: Que não existisse mais polícia serva de opressor, do "assassinato e violência seletiva" - que odeia e mata negros, pobres, putas, trans, gays, lésbicas. Que intimidam as mulheres que procuram a delegacia pra fazer b.o. contra violência. Que invade a terra dos índigenas a mando de fazendeiro e político. E que essas terras sejam devolvidas aos os povos originários .Quando chegar esse dia cantaremos e dançaremos e pachamama vai chorar de felicidade sobre nossa terra. Eu sonho mesmo e sonho muito mais pra nós.


Buzo: Considerações finais, o que quer dizer pra quem curtiu essa entrevista ?
Brisa: Obrigada a quem deu um pouquinho do seu tempo pra me ler, se quiser me ouvir escute aqui https://www.youtube.com/brisaflowmc
Esse ano sai meu disco "Newen". Se curtir meu som acompanhe meu trabalho aqui. https://www.facebook.com/BrisaFlowMC/
Fortaleçam o hip hop, fortaleçam o trampo das minas. Fortaleça a poesia. Mantenha a cultura viva.
Buzo muito obrigada por este espaço. Tamo junto. Adorei estar no sarau Suburbano. Poesia marginal vive! Que as palavras da revolução se multipliquem.





Brisa De La Cordillera no lançamento de Mulheres de Palavra no Sarau Suburbano

domingo, 28 de fevereiro de 2016

Entrevista exclusiva com o Grupo Primeiro Ato.

O Grupo de Rap "Primeiro Ato" lança novo CD e corre atrás do sonho de todo artista, viver da própria arte, enquanto isso não acontece, seus integrantes dividem o tempo entre o grupo, shows e os trabalhos paralelos.
Alessandro Buzo conversou com o Gordinho, veja as novidades do Primeiro Ato



Alessandro Buzo: Nos fale tudo do novo CD ?
Gordinho:
Esse CD trouxe pra gente uma forma de achar o amadurecimento que o rap precisa antes de começar a gravar um CD, fomos atrás de estudar letra por letra, os produtores e tentar de alguma forma trazer a essência que o rap precisa.


Buzo: O que esperam alcançar com ele ?
Gordinho:
A ideia é o reconhecimento, a esperança de viver da musica, mais sabemos também que é muito foda, ainda mais independente sem um apoio estrutural por trás da gente.


Buzo: Desde quando.... de onde são os integrantes e quem são eles ?
Gordinho:
Luiz Fernando (Zona Norte, Pq Edu Chaves) Eu (Gordinho) e o Cleber (Zona leste, Carrão), estamos juntos desde 2010.


Buzo: Nos fale do momento do grupo, o que tem feito ?
Gordinho:
Estamos na fase de divulgação do CD, acabamos de lançar um Vídeo Clipe, fazendo os corres dos shows, muitos não remunerados, mais muito bom pra divulgar o trampo.


Buzo: Áudio visual ?
Gordinho:
Dois vídeo clipes produzido pelo Vras 77


Buzo: É complicado manter a vida normal (trabalho, família) e um grupo de RAP, quando não se vive só da carreira musical ? O que vcs fazem paralelo ?
Gordinho:
Muita Treta Buzo e muita duvida também no que realmente arriscar, é um dilema foda, se você arrisca na felicidade e pode se arrepender ou vive na frustração de dar prioridade no trampo e não ter tentado, hoje eu trabalho num trampo bom, uma multinacional muito bem estruturada aqui no Brasil, o Luiz tem o trampo dele no Bradesco e o Dj Cleber é supervisor de uma empresa de auxilio dos shoppings center.


Buzo: Parceria com o Cascão do Trilha.... como funciona ?
Gordinho:
Cascão é divisor de águas do Primeiro Ato, existe o antes e o depois, sempre tive uma admiração pelo trampo do Cascão desde da primeira vez que passou favela sinistra na 105FM, e hoje poder compartilhar palcos com ele é sensacional, ele ajuda a gente em tudo desde uma produção do som, até um problema pessoal que venha ter seja na família, trampo etc. Mais sempre deixando bem claro que temos que ganhar nossa identidade, um cara verdadeiro mesmo e justo.


Buzo: Ser independente no Brasil é ?
Gordinho:
Complicadíssimo


Buzo: Referências musicais pro grupo ?
Gordinho:
James brown, Marvin, Tim Maia, Tião Carreiro e Pardinho, Ze Canhoto e Robertinho, musica Caipira em geral ( rimas caipira foda ), na cena atual do Rap nacional em geral, sempre aprendendo.


Buzo: Projetos pra 2016 ?
Gordinho:
Trabalhar bastante no CD, só assim pra conseguir os objetivos.


Buzo: Um salve pra quem vai ler a entrevista....
Gordinho:
Muito obrigado pelo espaço Buzo, sem demagogia mais você sabe a admiração pela sua pessoa e sua família também que sempre nos recebeu tão bem, a rapa que nos acompanha pela internet, shows e que de alguma forma contribui com a esperança de dar certo, a rapa que cola no blog satisfação mesmo vocês mantém a cultura viva.

***
Fevereiro/2016

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

ENTREVISTA COM AUTORES DE LIVRO SOBRE LITERATURA MARGINAL.

***
4 dos principais pesquisadores da Literatura Marginal se reúnem em livro exclusivo de entrevistas...
Entrevistamos um dos autores, falando pela OBRA, com vcs Érica Peçanha.
Vamos saber um pouco mais da OBRA e convidar pro lançamento na terça, 23/2/16 no Sarau Suburbano.
Por: Alessandro Buzo



Alessandro Buzo: Nos fale do livro POLIFONIAS MARGINAIS? Quem teve a ideia? Como foi o processo?
R:
A história desse livro começou com a Lucía Tennina e o Mário Medeiros, que tiveram a mesma ideia de organizar um livro com entrevistas e entraram em contato para sondar minha opinião. O curioso é que eles não se conheciam (ainda hoje não se conhecem pessoalmente), mas ambos são amigos que fiz em função dos nossos interesses de pesquisa. Então, cogitei que seria bom apresentá-los e fazer com que desenvolvessem o projeto juntos. E eles não apenas gostaram da sugestão, como também, generosamente, convidaram a mim e a Ingrid Hapke para fazermos parte dessa empreitada.

Buzo: É um livro de entrevistas? Como assim?
R:
É uma obra que reúne algumas entrevistas que nós quatro realizamos para as nossas pesquisas de pós-graduação, que estão ligadas a diferentes áreas do conhecimento, mas têm em comum a discussão da presença de escritores negros e periféricos na cena literária contemporânea. As entrevistas foram editadas e distribuídas em quatro capítulos, um para cada pesquisador/a: Sistema literário, ativismo político-cultural negro e periférico (Mário Medeiros), Trajetórias, atuação e produção cultural (Érica Peçanha), Das teorias periféricas (Ingrid Hapke) e Saraus: poesia, gestão e território (Lucía Tennina).
Os títulos se referem às temáticas amplas de cada capítulo, mas é importante dizer que a estrutura do livro foi organizada como um bate-papo, a partir do qual colocamos os entrevistados para conversar, direta e indiretamente, sobre assuntos como trajetórias sociais, influências literárias, formas de classificação da produção, recepção e reconhecimento das obras, inserção no mercado cultural, relação com leitores e financiadores, presença das mulheres na escrita, engajamento político-cultural, saraus, negritude, periferia etc.

Buzo: Mário Medeiros, Érica Peçanha, Ingrid Hapke e Lucía Tennina, são os autores ... podemos dizer que é o quarteto fantástico dos pesquisadores da Literatura Marginal?
R:
Podemos dizer que são quatro pesquisadores, entre tantos outros, interessados em refletir sobre o lugar de grupos socialmente marginalizados na literatura brasileira. Possivelmente, alcançamos alguma projeção acadêmica porque eu e Mário publicamos livros resultantes de nossos trabalhos (Vozes marginais na literatura e A descoberta do insólito), e Lucía e Ingrid são pioneiras em levar essa discussão para a América Latina e Europa, além de serem tradutoras da literatura periférica. Também nos tornamos pesquisadores conhecidos nos diferentes espaços de fomento e circulação das produções literárias que estudamos porque estabelecemos laços de amizade com muitos daqueles que foram sujeitos de nossas pesquisas, em função da admiração, respeito e compromisso ético que temos para com esses produtores culturais.

Buzo: Os autores são de Berlim, Buenos Aires, Campinas e São Paulo, como vocês se reuniram, a distância influenciou de alguma forma?
R:
O livro foi construído, inteiramente, por meio virtual. Mas a distância só interferiu no tempo que levamos para terminá-lo, porque cada um de nós está num canto do mundo, dedicando-se a atividades diversas. No mais, todo o processo foi realizado de maneira coletiva e colaborativa.

Buzo: São 34 entrevistados, como os autores dividiram isso?
R:
Tivemos como ponto de partida as entrevistas que cada um fez para suas pesquisas de mestrado e doutorado, de modo que o livro abrange produtores culturais que se mostraram disponíveis e dialogavam com as preocupações centrais desses trabalhos, à época em que foram feitos.
Como são pesquisas concluídas entre 2006 e 20015, optamos por publicar conteúdos que se mantém relacionados e coerentes com as trajetórias de cada poeta ou escritor. Além disso, selecionamos entrevistas e temáticas que foram menos exploradas em nossas dissertações e teses, até para o livro ofereça um teor novo para quem já conhece as narrativas desses produtores culturais ou mesmo os nossos trabalhos.

Buzo: Considerações finais e convida galera para o lançamento no Sarau Suburbano dia 23 de fevereiro, quando você(Érica Peçanha e o Mário Medeiros vão estar presentes.
Érica Peçanha:
Agradecemos, imensamente, pelo convite e oportunidade de estarmos no Sarau Suburbano para fazer o primeiro lançamento dessa obra - infelizmente, sem a presença física de Lucía Tennina e Ingrid Hapke.
Ficaremos muito contentes em (re)encontrar entrevistados, amigos, familiares e interessados pelas literaturas negra, marginal e periférica nessa data.



Dia 23/02/16 - A partir das 19h30 (em ponto), abriremos o Sarau Suburbano com os autores falando da OBRA, 20h o sarau em si.....

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Entrevista exclusiva com o Grupo de Rap Klandestinos de Hortolândia, interior de SP.

Grupo Klandestinos, na estrada desde 2009, acaba de lançar seu novo CD "Os Sonhos não Envelhecem", vamos saber mais da caminhada do Klandestinos e um pouco desse novo trabalho.




Alessandro Buzo: Nos falem desde quando está no corre o Grupo Klandestinos ?
R:
A formação do grupo Klandestinos ocorrida em 2009 se deu com a
minha saída do Grupo Inquérito eu fiquei uns 2 anos sem fazer musica,
mas quando está no sangue não tem jeito, foi então que iniciamos o
processo de gravação do CD "Quem tá cum nóis" que saiu em 2011, Já o
Snake se desligou do Grupo Ndee Naldinho em 2010, como moramos na
mesma cidade a aproximação se deu de maneira natural, o Douglas é um
cara muito talentoso, excelente letrista que buscava uma oportunidade,
então o convidamos para fazer do grupo, e o DJ Davi dispensa
apresentações é um cara muito bem quisto no mundo da musica, apesar do
Know-how é um cara simples, humilde que se interessou pelo projeto do
Grupo Klandestinos e abraçou a causa.


Buzo: E esse novo CD "Os sonhos não envelhecem", o que ele traz ?
R:
Trás letras de resgate a autoestima, com um pouco da experiência de
cada integrante já considerados pessoas com uma certa bagagem musical,
como influencias discográficas, trás a sutileza e a musicalidade do
R&B -Rhythm and Blues, o Pop Rock Nacional dos anos 80, a influencia
do hip hop contemporâneo, e por ai vai, buscamos navegar por diversas
fontes com o intuito de buscar a musicalidade. Em suma o disco trás
uma auto avaliação, e uma afirmação de que mesmo o tempo passando
rápido e os nossos corpos envelhecendo,os nossos sonhos permanecem
vivos, daí o titulo "OS Sonhos não Envelhecem"


Buzo: Podemos dizer que o grupo é de Hortolândia, interior de SP, uma cidade
com tradição no cenário do RAP ?
R:
Sim estamos no eixo tradicional do rap no interior de São Paulo, a
região metropolitana de Campinas, formada por diversas cidades já
expôs nomes com trabalhos consistentes no cenário musical, são grupos
renomados como Sistema Negro, Visão de Rua, Face da Morte, Realidade
Cruel, Inquérito, Mentes, Gregori, Sacramento entre outros.
Tivemos a felicidade de dividir palcos com alguns deles no decorrer da
nossa carreira, e a sensação é indescritível, vejo que somos
privilégiados e tenho a certeza de novos nomes (com novas influencias
e afirmações) surgirão nos próximos anos.


Buzo: O DJ Davi Frias é de Diadema, porque um DJ de outra cidade ? Como faz
nos show´s e pra ensaiar ?
R:
O Davi é um cara ímpar, talentoso, conhecedor e apreciador da boa
musica, o ingresso dele no grupo ocorreu com naturalidade e pela
identificação entre as partes, então vale muito a pena este esforço,
sim, tem um custo de deslocamento de Hortolândia até Diadema para os
ensaios e apresentações, mas a qualidade que trás a apresentação é um
diferencial, o Grupo Klandestinos preza pela qualidade e isso
justifica a distância. Lembrando que as nossas atividades são
conjuntas então nós fazemos os corres aqui e ele faz os corres lá, o
Davi representa muito bem o Grupo Klandestinos.


Buzo: Muitos grupos não sobreviveram ao tempo.... como vcs fazem pra estar
tanto tempo na ativa ?
R:
Em primeiro lugar amor por aquilo que fazemos, amor a música, amor
ao Hip Hop, amor as pessoas e um pouco de militância também. A
concorrência é grande então precisamos nos reinventar constantemente,
formar alianças fortalecer o ciclo e seguir em frente. O caminho da
auto suficiência não está longe, é preciso buscar alternativas e se
inserir. A meta é o progresso mas o compromisso é com a periferia é
com a nossa gente. Ver no compromisso musical do Grupo uma
alternativa, um apoio a nova geração, isso nos faz querer sempre mais,
talvez isso explique a longevidade do grupo no segmento.


Buzo: Mídia e RAP, como vcs vêem essa questão ?
R:
Natural, é preciso saber usá-la, no mundo globalizado as mídias
representam a porta rumo ao sucesso, trabalhos que não são expostos,
enfrentam um pouco de dificuldade para se tornar uma realidade, é
preciso de adequar, nós vivenciamos uma época em que as rádios eram os
maiores meios de difusão da musica, hoje o cenário é bem diferente e
as rádios acabaram perdendo com essas nossas concorrências.
Acho lindo ver o Rael no programa da Regina Casé, ver o Emicida no
Altas Horas, isso é um passo que deveria ter sido dado nos anos 90,
precisou aparecer uns caras com sede de novos desafios, vale lembrar
que se prepararam e estão representando a cultura mundo a fora. A
gente reclama que nosso povo é alienado pelas grande mídias, mas não
nos propusemos a expor nossos trabalhos na midias de massa.
Acho o momento muito favorável, propicio para esse avanço.


Buzo: Um momento importante que vale a pena destacar, na trajetória do grupo ?
R:
Cada integrante tem uma história, o Snake ganhou disco de ouro no
Ndee Naldinho foram 23 anos de parceria então foram muitos momentos
marcantes, o Davi já discotecou para diversos nomes do rap nacional,
eu tenho um caminhada já fiz participações com o Realidade Cruel, com
o Face da Morte e ganhei o prêmio Hutuz com o Grupo Inquérito e o
Douglas que também já passou por muita coisa no mundo da musica, mesmo
com toda essa bagagem eu vejo como um momento ímpar para o grupo
quando recebemos o reconhecimento do Ministério da Cultura - Funarte,
que subsidiou este novo trabalho e propiciou esta nova experiência,
vejo esse momento como um divisor de águas nas nossas carreiras.


Buzo: Em março vcs autografam o CD novo no Sarau Suburbano, qual a expectativa ?
R:
O Sarau Suburbano é tradicional, um ambiente que exala cultura e
repleto de pessoas carregadas de boas energias que procuram cultura
que consomem cultura a todo momento, estivemos em 2012 no sarau e
fomos super bem recebidos a noite foi super agradável, quem for ao
sarau dia 22/03 com certeza irá compartilhar de um ambiente salubre e
saudável, carregado de cultura deste de a porta de entrada até a
saída, será uma noite de confraternização, espero vocês no sarau
Suburbano Convicto no dia 22/03, venha vivenciar este momento
maravilhoso conosco.


Buzo: Acha que o RAP e a cena dos saraus devem caminhar juntos ?
R:
Sem dúvida nenhuma, o sarau é um ambiente democrático salubre onde
toda contribuição é bem vinda, essa soma de esforços contribuem para a
cultura como um todo, é lindo ver um recital de um poema de cordel por
exemplo, isso nos mostra o quanto o povo tem sede de cultura e tem
muito a contribuir com a exposição de suas expressões, quanto ao Rap,
o Rap é poesia e poesia é o rap.


Buzo: Considerações finais ?
R:
O grupo Klandestinos agradece primeiramente a Deus, a todos que
direto ou indiretamente contribuem ou já contribuíram com o nosso
trabalho, agradecer a generosidade do povo brasileiro, que sabe
reconhecer a nossa dedicação e vem abraçando a nossa causa, e ouvindo
o nosso trabalho. Ao grupo ARJA que uma instituição que atuo como
Assistente Social e Gestor de Projetos Culturais, agradecer ao
Ativamente (um movimento ao qual faço parte) que vem mostrando que a
juventude tem voz ativa, ao Nação Hip Hop que é uma organização que
também tenho um carinho especial, o Beto Teoria o Daniel (Ordem
própria) Raisule (Salto) ao Mano Ed (Face da Morte) por se empenharem
na divulgação deste trabalho, ao Markim da Smurphies, O DJ Chokolaty e
a Cláudia Maciel do DF, meu mano Cahegi, Negro Davi e Dj Branco de
Salvador, o pessoal do portal Polifônia Periferica, Os manos de
Goiânia que vem difundindo o nosso trabalho, o Dj Kalando da Rádio Rap
Nacional de Florianópolis, Hot Black de Aracaju, o pessoal da rádio
Heliópolis, o pessoal da 105 (espaço Rap) em especial ao Fábio Rogério
que vem nos ajudando nesta empreitada, tem muito mais gente nesta
lista mas ficará bem extensa então meu sinceros agradecimentos de
coração.
Esperamos todos no sarau Suburbano Convicto dia 22/03.
Siga o Grupo Klandestinos no Instagram: @grupoKlandestinos



Facebook:
Grupo Klandestinos


segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Entrevista com a militante Wilma - Preta Pretinha

Seu nome é Wilma Ribeiro Souza, a Preta Pretinha..... Preta pretinha é uma mulher militante, feminista, negra, fotografa autônoma e nessa entrevista exclusiva vamos conhecer um pouco mais dela, que vai sempre fotografar os protestos em São Paulo, porque segundo ela, a mídia não mostra a verdade dos fatos.




Alessandro Buzo: Quem é Wilma Ribeiro Souza, Preta Pretinha, por ela mesmo ?
Wilma: Preta pretinha é uma mulher militante, feminista, negra, fotografa autônoma que está na luta diária pelo reconhecimento da Igualdade de Direito para as Mulheres.

Buzo: Comecei a prestar atenção nas suas postagens quando disse que ia com sua filha pros protestos, é isso mesmo, leva ela junto ? Quantos anos ela tem ?
Wilma: Sim minha filha (Anna Carolina de Souza Dias) vai comigo a atos, Protestos desde seus 15 anos de idade, hoje ela tem 21 anos.

Buzo: O que te motiva sair de casa pra ir a um protesto ?
Wilma: Oque me motiva é documentar os fatos através do fotojornalismo e acho importante a luta por um direito de ter um valor de passagem justo para todos.

Buzo: VC fotografa os protestos, o que faz com as imagens ?
Wilma: Sim fotografo,tenho uma pagina no Facebook onde disponho das imagens,pq nem sempre a vdd dos fatos são mostradas pela grande midia.

Buzo: O que pensa sobre o Movimento Passe Livre ?
Wilma: Eu acho um Movimento importante,mas acho que algumas posições deveriam ser repensadas para que o Movimento pudesse crescer mais.

Buzo: Black Block .... o que pensa sobre eles ?
Wilma: Eu acho que a maneira como eles lutam é muito independente e acaba desfavorecendo os Protestos,pq agem de maneira violenta.

Buzo: O povão, aquele que só quer manter o emprego.... não sabe o poder que tem ?
Wilma: Acredito que realmente o povo na sua grande maioria não saiba mesmo o poder que tem, principalmente nas eleições.

Buzo: Governo Alckmin ?
Wilma: Acho o pior governo que tivemos, um governo que acaba com educação, saúde,transporte não pode ser bom.

Buzo: O que achou das Ocupações nas Escolas ?
Wilma: Achei muito bom,acho que finalmente os jovens estão acordando e buscando seus direitos.

Buzo: Um mundo melhor é possível ?
Wilma: Sim é possível, se houvesse mais solidariedade,igualdade entre todos.

Buzo: Um sonho ?
Wilma: Meu sonho é poder ter um Projeto onde eu possa contar as historias de luta das pessoas,pelo Brasil á fora,revirar cada cantinho,mostrar através das minhas lentes,oque querem,como vivem e qual sua luta.

Buzo: Defina São Paulo ?
Wilma: São Paulo é o mundo, mas vejo uma São Paulo muito capitalista.

Buzo: Fale mais de VC, o que curte, onde gosta de estar em SP ?
Wilma: Eu curto Hip Hop e o lugar que gosto mais de estar é no centro de São Paulo,onde tudo acontece, onde é palco de muitas historias.

Buzo: Existe amor em SP ?
Wilma: Existe amor, mas ainda é pouco.

Buzo: Considerações finais....
Wilma:Quero acreditar em cidade justa para todos,em um mundo melhor,onde cada pessoa seja oque elas quiserem ,sem julgamento por cor de pele,eu busco este mundo.....onde pretos e brancos, homens, mulheres, trans, gays, lesbicas vivam em paz.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Entrevista exclusiva com o "polêmico" Erton Moraes de Osasco

Erton Moraes é músico e escritor, autor do livro: Dedo na Garganta da Ideia, promove o evento Cultura na Vila em Osasco onde mora, tem a Banda Mokó de Sucata. Uns o chamam de polêmico, rebelde....
Vamos conhecer um pouco mais desse artista periférico.
Por: Alessandro Buzo




Alessandro Buzo: Quem é Erton Moraes por ele mesmo?
Erton Moraes:
Quem souber dar essa resposta na íntegra escreverá um best seller... rsrsrs – Quem se auto-define oprime a opinião alheia.



Buzo: Como anda a Banda Mokó de Sukata e planos pra 2016?
Erton Moraes:
Estamos com músicas novas, queremos gravar um clip, montar um espetáculo com o movimento Trokaoslixo, junto com o maracatu-atômico Jorge Mautner.

Buzo: O que é TROKAOSLIXO?
Erton Moraes:
TROKAOSLIXO é um Movimento Cultural que propõe a mistura de culturas, questiona o lixo mental como o racismo, a desigualdade social, as torturas. Lixos culturais que passa de pai pra filho. Todos sabemos que uma criança não nasce racista, ela é contaminada pelos nossos valores deturpados. O lixo cultural não é questionado nos meios de comunicação e o Brasil precisa de movimentos: somos punks, góticos, hippies, hip-hop, mas acredito que podemos criar nossos movimentos também, respeitando todos os outros, a exemplo do Mangue Beat.


Buzo: VC ajuda a promover o evento Cultura na Vila, quais os desafios?
Erton Moraes:
Sim, esse ano o Cultura na Vila completará 15 anos, com muita luta. O Cultura na Vila é um movimento de resistência contra a maneira como os Artistas são tratados, não só em Osasco, como no Estado e no País. Os Artistas que não estão na grande mídia são tratados como lixo, e para fazer parte dessa mídia, o Artista geralmente precisa criar um produto de alienação, outro tipo de lixo. O caminho do Artista de Osasco tem que ser passivo e conivente com as panelas que são instaladas no meio da política local, caso contrário, tá fora. Quando o governo apoia um evento, ele não está te dando nada que já não seja seu. Aqui em Osasco você tem que mandar beijo pros políticos para ter apoio, esses são os desafios.



Buzo: VC é de Osasco, como anda a cena cultural da cidade?
Erton Moraes:
Santo de casa não faz milagre, Osasco é uma cidade provinciana, mas artisticamente somos um povo muito rico, poetas, músicos, artistas circenses, atores, pintores, bailarinos...



Buzo: Em 2015 teve uma grande chacina em Osasco, porque isso ainda acontece nas quebradas?
Erton Moraes:
A chacina foi no Munhoz. Eu cresci no Munhoz, Parque Imperial que é divisa de Barueri. É o seguinte: chacina no Munhoz, Helena Maria, sempre teve, a diferença é que hoje temos celulares, câmeras e isso repercutiu. Sempre falo do Trokaoslixo: esse é o efeito do lixo cultural, a violência que passa de pai para filho, para netos, num efeito dominó e a periferia paga a conta da sujeira do Estado.



Buzo: Porque vc tem fama de polêmico?
Erton Moraes:
Para espíritos anêmicos, sou polêmico.



Buzo: Qual sua ligação com o falecido (morto aos 51 anos em 2008) escritor Austregésilo Carrano Bueno?
Erton Moraes:
Meu irmão, amigo de aventuras, travessuras, fizemos arte.
Tiveram apresentações do Mokó de Sukata junto com sua peça: “O Sapatão e a Travesti”. Carrano foi o escritor que denunciou o maior problema da humanidade, a saúde mental, por isso suas ideias foram perseguidas. O Trokaoslixo fala do lixo mental por isso nossas ideias convergiam. Carrano morreu sem dinheiro e sem o reconhecimento merecido, ele era uma pedra no sapato tanto da direita quanto da esquerda.
Hoje temos o “Prêmio Carrano Direitos Humanos” que mantemos com dificuldades, ele incomoda até hoje.



Buzo: O que te inspira a fazer cultura?
Erton Moraes:
O fato de existir. A existência humana é um continuo exercício cultural.



Buzo: 2015 não foi fácil, mas nos fale 3 coisas boas do ano passado?
Erton Moraes:
Mokó de Sukata tocou no Sesc Osasco, apresentamos o tema do Movimento Trokaoslixo na Biblioteca Alceu Amoroso Lima, meu amigo Vitor Cachoeira escapou de um grave acidente, minha filha dançou ballet junto com a mãe, a ocupação das escolas de SP foi o ato que serviu de lição para o país e descobri pelo facebook que pela quantidade de coxinhas, o Brasil não terá mais fome...


Buzo: Um salve pra quem vai ler essa entrevista e considerações finais?
Erton Moraes:
Estudem nossas culturas, entenda a sua quebrada, valorize seus irmãos e irmãs, sejamos mais Preto e menos Black, senão a história que você produz hoje será esquecida pelos seus netos e bisnetos amanhã. Um salve para as donas Marias e os Seus Zés que sustentam nossas quebradas chamadas Brasil.



Erton Moraes e Alessandro Buzo


segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Entrevista exclusiva com a poeta Michele Santos que lança seu primeiro livro: Toda Via,

Ela é mulher, poeta, periférica do Grajaú, zona sul de São Paulo. Também é professora e acaba de lançar livro, nessa entrevista exclusiva, Michele Santos fala dela e do seu livro.



Fotos: Alessa Melo

***

Alessandro Buzo: Quem é Michele Santos por ela mesmo?
Michele Santos:
Também gostaria de saber (risos). Talvez escreva pra saber. Sei lá...alguém que tenta. E intenta um bando de coisa. Canceriana, dada a melancolias, coisas de água e de céu. Fez da palavra porto, ponte, arma. Utópica. Idealista. No mais, digam vocês que me sabem. De mim ainda estou me aprendendo.


Buzo: Nos fale do seu recém lançado livro Toda Via,?
Michele Santos:
“Toda via,” é meu primeiro livro. Cria da cena literária independente, materialização dum sonho antigo, poesia de fé minina lapidada no sensível.



Buzo: Como a poesia entrou na sua vida?
Michele Santos:
Desde muito bem pequena sou dada a leitura. A aluna nerd, sabe? Então. Daí teve uma época em que lá em casa não tínhamos tevê, por questões religiosas de um determinado momento (minha família é evangélica). Essa época penso que foi crucial. Tinha um ônibus-biblioteca, que ainda hoje existe no mesmo lugar, na pracinha da Vila São José, ao lado da escola em que estudava. De curiosa, fui lá, fiz a carteirinha e pegava livro toda semana. Essa experiência me inaugurou lances como criticidade e construção de um senso estético na literatura. A poesia, de fato, entrou junto a prosa, meus primeiros poetas lidos saíram de uma coleção antiga lá de casa que era da época dos vendedores de livro porta-a-porta, chamada “Poetas Românticos do Brasil” (tenho até hoje essa coleção, virou um patuá poético-afetivo). Então, dá-lhe Bilac, Gonçalves Dias, Castro Alves, Álvares de Azevedo...a poesia contemporânea veio bem depois. Mas, de certa forma, sempre esteve. Fui uma daquelas crianças contempladoras, caladonas. Não sei se porque já via poesia nas coisas do cotidiano ou porque enxergava o mundo borrado (minha miopia, bem alta, só foi diagnosticada aos 9 anos). E a poesia é isso tudo o que há, esse peixe-mundo. O poema bem tenta fisgar, mas nem sempre o poeta está num bom dia de pesca.


Buzo: Você é do Grajaú, como é ser mulher, poeta, num bairro periférico de São Paulo?
Michele Santos:
Isso dá um trabalho, viu...o ser poeta é mais bacana que o ser mulher, por ora. Digo do ponto de vista da contemporaneidade em que estamos inseridos. Enquanto estou poeta, geralmente atuo num meio cultural com outras pessoas em que, espera-se, falam a mesma língua. E nesses lugares sinto haver algo de voz, visibilidade, respeito. Enquanto sou mulher, a briga é a todo tempo, e corre das tirações cotidianas à nossa liberdade tolhida. Donde geralmente sou a chata do rolê - mas como não? A periferia é lotada de mulheres fortes, guerreiras, um bando de trabalhadoras bonitas, mas inda somos o sexo à parte, final de semana é a mesma cena, mulherada-na-cozinha, homens-no-churrasco, isso pra ficar no prosaico, porque se entramos na questão da violência a coisa piora. E quando falo em violência, vai das piadinhas misóginas “que não machucam ninguém” aos machucados físicos. Por outro lado, com a primeira condição exposta (“ser poeta”) junto a uma terceira, não citada na pergunta, que é o “ser professora”, consigo considerar estes aspectos para uma educação não sexista, para o empoderamento de minorias, para a construção de transformações sociais que, se não resolvidas agora, é luta perene de plantar semente prum futuro equalitário e justo. E vamos falar de homofobia, transfobia, mulheres negras, indígenas, diversidade, sim! É uma visão romântica, mas como sobreviver a estes tempos árduos sem um quê de sonho? A gente é o que sonha.


Buzo: O Grajaú tem muita cultura, de lá saiu CRIOLO, tem Terra Preta, Eduardo Facção, Pagode da 27, Sarau Sobrenome Liberdade.... entre outras coisas, sempre foi assim ? Como você vê essa cena?
Michele Santos:
Nem sempre foi assim, mas o que tá rolando hoje é de uma beleza ímpar. Recentemente o pessoal do Sarau do Grajaú lançou um documentário (“Grajaú em Foco”, atualmente em exibição pelos saraus da região) que me materializou a importância das nossas ações na região a partir desse distanciamento provido pelo registro. Das coisas que acho mais bacana é ver que a molecada tá mais ligada em arte, cultura, música. E não só consumindo, mas produzindo também. É importante existir essa voz. É como um grito de “nós existimos”, sabe? E somos pensantes! Essa transformação só o futuro pode nos dizer no que vai dar. Mas já estamos sendo e vendo mudança.


Buzo: Qual a sua atuação no Sarau Sobrenome Liberdade?
Michele Santos:
Nos revezamos na condução do sarau, que atualmente conta com uma lojinha de livros, cd’s, camisetas e etceteras de artistas independentes pra fortalecer a cena, um bate-papo inicial com os artistas que estão lançando na noite antes da apresentação do sarau e por vezes encerramos com uma atração musical. O Sobrenome Liberdade completou recentemente 3 anos e foi uma idealização do escritor Ni Brisant junto ao Damásio Marques e outros poetas que foram somando-se ao coletivo. Hoje somos quatro pessoas na lida de um movimento que, a bem da verdade, não nos pertence, o sarau é das pessoas que o frequentam, que acompanham, que fortalecem o consumo da arte independente, periférica, e mantém viva essa ânsia por arte num espaço geográfico carente de iniciativas artísticas.


Buzo: As mulheres tem se posicionado contra o machismo, qual sua posição quanto a isso ?
Michele Santos:
Estamos juntas! Acredito que todo mundo na cena dos saraus acompanhou o movimento “não poetize o machismo”. E como toda ruptura, rasga, abre ferida. E não foi fácil, não está sendo. Acontece que as mulheres estão nos saraus, estão produzindo e não aceitamos mais comportamentos misóginos e de refutação a nossa visibilidade. Parece fácil falando, mas você veja, por exemplo, ainda existe a poetisa como figura dum inconsciente coletivo que alude à moça que faz poeminha fácil de amor. O problema aqui nem é o amor, critico não a temática, mas essa passividade que se espera de nós. Não, queridos, nossa arte não é menor, não é medrosa, não é fácil. Por isso incentivo e apoio a produção feminina – e feminista. A gente não é só público, a gente publica - e quer nosso espaço. Aconselho saberem sobre o Projeto Margens (http://margens.com.br/ e no facebook: https://www.facebook.com/pelasmargens/ ), mapeamento de escritoras que é também tese de mestrado e um projeto lindo de visibilidade pra escrita feminina.


Buzo: O que você gosta de fazer em São Paulo e no seu bairro?
Michele Santos:
Shows, parques, saraus, a sala da minha casa cheirando a café com livros abertos ou um texto em construção. Acho que por trabalhar em escolas nas imediações, não consigo fazer muito bem essa separação São Paulo/bairro. O centro é rápido, me dá urgências, muitas vezes me sinto até “bairrista”, me conforta estar no meu canto (e a quem não?). Me rememorou um poemeto meu: “A cidade me selva”. É isso.


Buzo: Como está sendo divulgar, lançar e espalhar por ai o Toda Via,?
Michele Santos:
Sendo uma obra independente, a divulgação e distribuição finda por ser um corre nosso, aquela coisa do “nós por nós”. Tenho feito lançamentos em alguns saraus, divulgado a página do livro na rede...não posso esquecer dos parceiros que têm dado uma força grande, divulgando e construindo pontes pro livro chegar mais longe. Chamo-os de “a gente literários” (assim mesmo, separadinho), uns amados, esses. Tenho recebido também uns retornos incríveis, sentido que os poemas ali têm tocado os leitores e o quanto é imensurável essa sensação de que a poesia tá cumprindo seu papel. Gratidão que não cabe dentro.


Buzo: Quais seu autores preferidos ?
Michele Santos:
Essa é difícil. Geralmente são os últimos que me pegam...não vou citar nomes porque sei que vai faltar gente, e tem muita gente boa, e o maior barato é que a maioria é gente que conheço – num é delícia isso? Então vou citar os autores dos dois últimos livros que me deram esse punch, na prosa o Luiz Rufatto com o Flores Artificiais, que é escritor aqui de SP, e na poesia, Regina Azevedo, poeta do RN que a gente conhece e fica de cara com a maturidade da escrita em tão pouca idade, recém completou 16, com seu Carcaça.


Buzo: Três coisas boas de 2015 ?
Michele Santos:
O processo de construção e lançamento do livro, ter revisto minha avó em Alagoas num período difícil do ano em que eu precisava de nortes (literalmente) e de ser acarinhada, o levante dos estudantes contra o fechamento das escolas estaduais.


Buzo: O que espera de 2016 que se inicia e quais seus projetos ?
Michele Santos:
Seja um ano bonito pro Toda via, - logo, muito trabalho à frente, além da trabalheira já cotidiana que é atuar na educação. Prum futuro próximo já adianto que rolarão algumas coisas em prosa, mas de verdade mesmo, projeto viver bem o presente das coisas.



Buzo: Considerações finais e um salve pra quem vai ler essa entrevista ?
Michele Santos:
Leiam meu livro, mas não só ele. Procurem saber dessa cena literária, artística, que não consta do catálogo das grandes livrarias, procurem saber dos zineiros, dos artistas locais, dos ativistas. O best seller muitas vezes é uma construção midiática, artificial. Tem coisa boa além das pontes que separam os centros das margens. No mais, forte abraço a quem chegou até aqui e espero vê-los nos por-aís da vida.

domingo, 17 de janeiro de 2016

Entrevista exclusiva com o rapper, escritor e cartunista Walter Limonada.... ou, Valter Luis.

Ele é rapper com 3 cd´s lançados, escritor com um livro e cartunista com outros dois livros.... morador de São Bernardo do Campo, Walter Limonada, ou Valter Luis é sonhador, mas realiza os sonhos acordado.
Vamos conhecer mais desse mano, amante dos fanzines e do Hip Hop.... nessa entrevista exclusiva.
POR: Alessandro Buzo
***




Alessandro Buzo: Quem é Walter Limonada e porque assina também Valter Luis ?
Walter Limonada:
Primeiramente, minhas palavras de gratidão, por estar participando do “Buzo Entrevista”, boa leitura pra todos. Vamos as respostas...
Walter Limonada, é o meu nome artístico, sou um Hip-Hopper, pois, me expresso musicalmente através das letras de RAP que componho, porém, admiro todos os outros elementos do Movimento Hip-Hop, que são o Graffiti, a arte de discotecar e a dança. E é claro que dentro de todo esse Movimento, o CONHECIMENTO é fundamental.
Valter Luis, é o meu nome de batismo, e como estou na área da Educação há pelo menos uns 12 anos, assinei e continuo assinando muitos trampos culturais como “Valter Luis”, e resolvi também assinar artisticamente o meu nome de batismo em alguns dos meus trabalhos, principalmente os trampos em que não ficam somente dentro do tema Hip-Hop.
Mas, no final das contas é tudo a mesma pessoa, não tem essas coisas de “dupla personalidade”.


Buzo: Você é rapper, tem CD lançado... continua atuando ?
Walter Limonada:
Sim, sou Rapper. Não tenho uma grande mídia de divulgação sobre esse meu trampo musical, porém, tenho 03 álbuns lançados.
Em 2003 lancei o “Mente Poderosa” , em 2005 o “Teimosia” e em 2010 “Lemons Fragmentos”, os três estão disponíveis na Internet (Youtube) e alguns Blogs. Todos os 03 álbuns, tem participações de guerreiros e guerreiras que estão na luta por uma periferia melhor. Inclusive, o entrevistador e escritor Alessandro Buzo, tem uma importante participação no meu álbum “Teimosia”, atuando como um Rapper e mandou a rima pra valer na parada.
E além da correria como Rapper, eu sempre corria em paralelo como Fanzineiro, fiz vários Fanzines Autorais (Boletins Informativos), o mais conhecido foi o “Folhas de Attittudes”, colaborei também com centenas de outros Fanzines, além de ter sido repórter colaborador do saudoso jornal “Estação Hip-Hop”, da saudosa revista “RAP Brasil”, dentre outras publicações.
Sem contar que fiquei 02 anos como colaborador do programa de rádio “ESPAÇO RAP” da 105 FM, convidado pelo mano Easy Nylon, fazendo a seção “Ligado no Movimento”, onde dava variadas dicas de leitura e culturais pros ouvintes.
Então, sempre estive envolvido em palestras e exposições, ainda estou, então sempre que pinta uma oportunidade, subo nos palcos ou vou aos Saraus, eu mando a rima também.
E quem sabe, talvez ainda eu acabe lançando um novo trampo musical, mais atualizado, é claro, acho que ainda tenho folego pra isso.


Buzo: Você lançou um livro lá atrás, Trokando Umas Ideias e Rimando Outras, como foi essa experiência ?
Walter Limonada:
Então, como eu disse acima, eu atuava como Rapper e ao mesmo tempo em paralelo, atuava como escritor nos Fanzines. Então me veio a ideia de juntar a fome com a vontade de comer.
Fiz um apanhado de minhas melhores rimas na época (2007) e fiz alguns textos em forma de crônicas e assim surgiu o livro: “Trokando Umas Idéias e Rimando Outras”. O livro, assim como todos os meus trampos anteriores, saiu de forma independente, pelo selo que eu mesmo criei, “Limonada Imprensa Alternativa”, porém esse livro teve também o apoio cultural da Associação Ação Educativa. O Eleilson Leite, na época estava a frente da Ação Educativa, viu os textos e as poesias e apoiou a ideia. Somente com esse apoio foi realmente possível por o livro nas ruas.
A maior experiência que eu trago sobre este livro, é que com ele consegui expor meus RAPs em localidades que ele não entrava musicalmente. Além de ter expandido muito mais a minha forma de atuação, mostrando que a literatura é forte dentro das Favelas, dentro das Comunidades, foi um soco na cara de quem vive falando que quem é pobre não gosta de ler.
E pra fortalecer ainda mais essa idéia, após o meu livro solo ir pras ruas, fui convidado para participar em várias antologias literárias, como por exemplo, “Pelas Periferias do Brasil”, organizada pelo Buzo, “Hip-Hop à Lápis – A Literatura do Excluído” organizada pelo Toni C., “Coletivo Perifatividade - Vol.I”, organizada pelo Paulo Rams, dentre outras coletâneas e participações.
Ressaltando que além das correrias musicais e literárias, também participei atuando, em algumas produções cinematográficas, como por exemplo, no filme “Profissão MC” de Alessandro Buzo e Toni Nogueira, e nos filmes “A Testemunha” e “Pé de Cabra” de Milton Santos Jr.
Além de diversos documentários sobre o Hip-Hop.


Buzo: Você mora na periferia de São Bernardo do Campo, nos fale do Jd Silvina e como é morar no ABC ?
Walter Limonada:
Eu moro no Jardim Silvina desde meu tempo de adolescente, conheço cada palmo do bairro e redondeza. Foi nele que eu estudei o ensino fundamental. E foi no bairro vizinho (Vila São José) que fiz o meu segundo grau.
Geograficamente o bairro vem expandindo cada vez mais, por ser ao lado da Via Anchieta com rápido acesso à Rodovia dos Imigrantes e ao Rodo Anel Mário Covas, muitas empresas do comércio estão vindo pra cá, que já tem o histórico de ser a capital das empresas de móveis e automobilísticas.
É claro que tem suas peculiaridades. Mas, as problemáticas são as mesmas de outras comunidades... Houve sim uma certa melhoria em alguns setores, porém, existem muito outros setores do bairro e do município ainda sofrendo descaso do poder publico...
O povo aqui não é só sonhador, é também um povo batalhador. Então, acredito e boto fé que muitas vitórias ainda virão.


Buzo: Você passou a desenhar, fazer tirinhas, como se deu esse início, você sempre desenhou ?
Walter Limonada:
Desde que eu me entendo por gente, meu pai era dono de bancas de Jornais, ficou uns 20 anos fazendo isso, então em casa nunca faltou livros, revistas, lápis de cor, canetinhas... Então já viu né ? Sempre eu estava rabiscando ou lendo, isso foi natural pra mim, eu até pensava que todo mundo fazia isso, no começo.
Mas, o tempo foi passando, veio a realidade batendo de frente, tive que trabalhar, fazer cursos, me manter numa profissão e consecutivamente os desenhos foram ficando de lado.
Voltei a ensaiar alguns desenhos na época que fazia Fanzines, mas, nada serio, só comecei levar a serio, quando pintou a oportunidade de colaborar no jornal “Boletim do Kaos”, com as tirinhas coloridas. Isto foi em 2013. Aí não parei mais, fui convidado por outros jornais impressos pra colaborar com tirinhas, além de ter algumas publicadas nos sites como por exemplo, “Jornalirismo” e “Rap Nacional”. Sem contar as que já estão espalhadas em diversos blogs ou redes sociais.
Uma outra coisa, que foi acontecendo são as diversas colaborações ilustrativas que já estou fazendo, vou citar as que já foram pras ruas, a ilustração de capa do EP do Rapper R.Jay, uma ilustração que fiz pro escritor Germano Gonçalves e ele publicou no livro dele “O Ex-Excluido”, a colaboração gráfica que fiz para o game “A Horda do Caos”, encabeçada pelo meu mano Gustavo Linzmayer, dentre outras que estarei falando melhor quando saírem.


Buzo: Em 2015 você lançou 2 livros HQ, fale primeiro do livro: Todo Mundo Quer Ir Pro Cel. ?
Walter Limonada:
O ano de 2015 (apelidei ele “carinhosamente” de Dois Mil e Crise), foi muita treta pra mim. Estava desempregado e com a vida pessoal de cabeça pra baixo. Mesmo assim, dentro dessas turbulências, foquei no meu trabalho artístico e fiz um monte de ilustrações, tirinhas e quadrinhos, aí comecei a organizar todo esse material e me veio a idéia de fazer um livro só com os quadrinhos.
Como fiz muitas piadinhas em relação ao uso de celular, resolvi usar isso como o tema base do livro, mas, sem deixar outros temas de fora. E assim foi surgindo a ideia do livro, e em Julho de 2015, eu ainda desempregado, surgiu a oportunidade de lançar o livro em parceria com a Editora Edicon.
A Dona Valentina, editora da Edicon, já conhecia meus trampos e acreditou na proposta e assim foi possível por nas ruas o meu primeiro livro de quadrinhos, chamado: “Todo Mundo Quer Ir Pro Cel.”
O livro conta ainda com o prefacio de Alessandro Buzo, uma colaboração em cartum do mano Marcelo Dopi e também um poema exclusivo do mano Germano Gonçalves. Miolo em preto e branco e oito páginas coloridas. Além da parceria editorial, Edicon / Limonada Imprensa Alternativa.




Buzo: O livro trouxe o resultado esperado ?
Walter Limonada:
Trouxe sim e ainda está trazendo...
Por exemplo, em 2015 fiz lançamento do livro em pelo menos uns 10 Saraus pela cidade de São Paulo, aproveito o momento para agradecer à todos que eu tive a oportunidade de conhecer, fui bem recebido por todas as localidades que passei.
Outro grande resultado, são as novas oportunidades de parcerias que estão chegando.


Buzo: Ainda ano passado você lançou outro em parceria com o Sr. Hans Freudenthal de 87 anos.... como se deu essa parceria ?
Walter Limonada:
Isso mesmo, como eu disse acima, novas oportunidades estão chegando, e o Sr. Hans, também é um escritor e tem vários livros dele, que foram lançados pela Edicon, então meu livro chegou nas mãos dele, ele curtiu pra caramba os desenhos e queria me conhecer.
Por uma coincidência do destino, o Sr. Hans, começou a frequentar o Sarau Suburbano, no Bixiga, e acabamos nos conhecendo pessoalmente, mas, eu nem imaginava que ele queira uma colaboração minha no novo livro dele, e que o livro fosse lançado ainda em 2015.


Buzo: Fale desse livro então..... Haikais com Limonada ?
Walter Limonada:
Então, o Sr. Hans, um mano que já chegou aos seus 87 anos, mas, tem a mente aberta em relação a literatura e aos desenhos me falou de seus textos em formato HAIKAIS, e disse que gostaria de ter minhas ilustrações nesse seu próximo livro.
E novamente com o apoio da Dona Valentina, da Edicon, colocamos o livro nas ruas, com todas as páginas coloridas.
E o Hans e a Edicon, fizeram questão que eu aceitasse ser um co-autor do livro e não apenas um participante. Pra mim foi a maior honra.
Então, no dia 15 de Dezembro de 2015, o livro “Haikais com Limonada”, foi pras ruas, com o primeiro lançamento oficial, no Sarau Suburbano.
Devo confessar que nesse livro, tive que me dedicar bem mais para finalizar os desenhos, pois, o convite do Sr. Hans, veio em Novembro, bem na época que arrumei um novo emprego novamente, então varei umas madrugadas, pra entregar tudo no prazo. E é claro que valeu a pena.
O livro “Haikais com Limonada”, saiu pela Editora Edicon, é um livro de provérbios Haikais, escrito pelo Hans Freudenthal e ilustrado por mim. Todas as ilustrações são coloridas.
Há, e ao mesmo tempo que fazia as ilustrações pro livro em parceria com o Mano Hans, fiz a ilustração para a capa de um livro chamado “Trilogia Inacabada” da escritora Elizabeth Zarzur, também da Edicon, e saiu nas ruas em Dezembro de 2015, também.



Buzo: Quais seus projetos pra 2016 e considerações finais ?
Walter Limonada:
São inúmeros... Vamos ver o que da pra fazer...
É claro que além de algumas colaborações já confirmadas, mas, só serão citadas quando saírem pras ruas, pretendo lançar um novo livro em quadrinhos solo e também alguns RAP´s mais atuais.
Mas, antes disso, as divulgações dos livros “Todo Mundo Quer Ir Pro Cel.” E “Haikais com Limonada”, ainda continuam.
Tem várias localidades em Sampa, que pretendo lançar esses livros, e também em outros estados pelo nosso Brasil afora.
Estou aberto a negociações e conexões para divulgar esses trabalhos. Vamos que vamos...
Me procure e adicione ae nas redes sociais, pra continuar as idéias, contratar pra eventos, palestras, o meu e-mail é: walterlimonada@gmail.com
E meu blog: rabiscosdovalterluis.blogspot.com
E finalizo agradecendo o mano Alessandro Buzo, pelo convite. O Buzão é meu brother muito ANTES de todas essas tecnologias atuais, fama e tudo mais. E sempre acreditou e participou dos meus trampos, desde a época dos Zines. Salve, toda família Suburbano Convicto. E um agradecimento especial a VOCÊ, que acabou de ler toda essa entrevista e conheceu um pouquinho mais sobre minha trajetória. Muita PAZ !!!

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Site de Vendas da LIVRARIA SUBURBANO CONVICTO, única do país especializada em Literatura Marginal.


***
Ajuda a divulgar, traduzindo... compartilha.
FORTALECE QUEM COMPRA UM LIVRO, o resto é tapinha nas costas.

www.livrariasuburbano.com.br

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

10 entrevistas de 10 perguntas com 10 seguidores do Buzo no Facebook. Última da série.... 10/10 > ENTREVISTA EXCLUSIVA COM a rapper "Joyce Preta Rara".......

Ela é rapper, poestisa, turbanteira e professora de história.
Postagem cheia de atitude na internet.... gosta de viajar e luta entre outras coisas contra a gordofóbia.
Falo da Joyce Fernandes, Preta Rara.... vamos conhecer um pouco mais dela, nesta última entrevista exclusiva da série 10 entrevistas de 10 perguntas com 10 seguidores do Buzo no Facebook, que foi a retomada do Blog Buzo Entrevista.



***
Alessandro Buzo: Quem é Joyce Fernandes, Preta Rara, por ela mesmo... ?
Joyce Preta Rara:
A Joyce Fernandes nasceu no dia 13 de maio de 1985, data está bem emblemática no Brasil que eu chamo de Falsa Abolição. (tem até um rap que eu escrevi e está no cd com esse mesmo nome)
Nasci em uma família abençoada que sempre me incentivaram nas minhas escolhas, meu pai colecionava disco e a música era a trilha perfeita lá de casa.
Já a minha mãe mesmo com pouco estudo sempre cobrou muito a leitura, ela fazia a gente ler a bíblia todos os dias, era um saco pq eu não entendia nada mas, também ela deixava a gente a vontade par escolher o que queria ler.
A vontade por cantar sempre esteve presente em minha vida, como minha família era evangélica, meu contato direto com a música foi na igreja, depois que passei a fazer parte de um grupo de louvor, com 12 anos de idade.
E na adolescência conheci primeiro o funk carioca, curtia demais, só que dentro do meu quarto pq minha mãe não me deixava sair.
E o Rap já era presente na minha vida, pq meu pai sempre ouvia, mas só em 2005 que eu resolvo meter as caras mesmo nas rimas.
E comecei no grupo de rap feminino Tarja-Preta, o grupo durou sete anos e em 2013 finalizamos nossas atividades e eu resolvi iniciar carreira solo.
Nessa caminhada toda ai eu já fui babá e empregada doméstica por 6 anos de trampo pesado e até o meu primeiro ano na universidade.
Sou formada desde 2011 em história e sou professora efetiva em uma escola particular na periferia de São Vicente.


Buzo: Você esteve recentemente no Rio de Janeiro e postou sobre os gringos caírem matando nas mulheres negras, foi assim mesmo, tão na cara dura ? Teve que distribuir até cotovelada ?
Joyce Preta Rara:
Nossa, já tinham me falado e eu já tinha lido diversas reportagens e postagens nas rede sociais.
E fiquei de cara quando isso tudo aconteceu comigo. Eu estava em frente a um bar em uma noite de uma sexta-feira na Lapa, e o samba estava comendo solto. Quando de repente começa chegar um monte gringo, e eu super distraída curtindo a noite, quando veio dois gringos, e um chegou já encostando no meu braço falando as palavras: samba, beautiful, exotic e eu me afastei.
E ele veio de novo pra cima de mim, e dessa vez com um monte de notas de dinheiro em forma de leque, sorrindo pedindo pra eu samba.
Eu fiquei tão enojada e com tanta raiva que quando ele se aproximou eu dei uma cotovelada com toda a minha força, pra ele parar de ser babaca.
Isso nunca aconteceu comigo, fiquei tão mal com o ocorrido que no meio do agito eu resolvi voltar para o hotel em que eu estava hospedada.
Isso é que a mídia brasileira mostra, a exposição da mulher negra como mercadoria.


Buzo: Qual a sua atuação cultural e planos pra 2016 ?
Joyce Preta Rara:
Bom, para esse ano eu projetei mentalmente e no papel também várias coisas para acontecer.
Além de ser rapper eu sou militante, pra mim eu não consigo separar o rap da minha militância.
E esse ano eu tenho um projeto se for aprovado em um edital aqui de Santos, vou colocar o meu primeiro livro rua que se chama Minha Preta Infância, no qual colocarei alguns relatos meus e de conhecidos para despertar um assunto que muitas das vezes passa despercebido ou fingem que não existem, que é o Racismo na infância.
E farei o show de lançamento oficial do meu disco em Santos e em vários lugares de SP e do Brasil.
Sou turbanteira e tenho algumas oficinas já agendadas também, sempre levo o rap, a militância e os turbantes, pois ao meu ver está tudo atrelado.


Buzo: VC postou foto na praia de maiô e bombou.... acha que o preconceito com os gordinhos como nós, tende a diminuir se a gente se mostrar ?
Joyce Preta Rara:
Com certeza, resolvi postar aquela foto de maiô pra pode incentivar as mulheres gordas a irem para a praia, só não esperava aquela repercussão toda de mais de 6 mil curtidas.
É difícil ser mulher gorda em uma sociedade que dita regras para tudo, nasci em uma cidade praiana que eu só aproveitei a praia com liberdade quando eu era criança e depois dos 27 anos quando resolvi assumir minhas curvas e ser feliz.
Estou organizando um evento que se chama Ocupação GGG – Vai Ter Gorda na Praia Sim, que o intuito e incentivar outras mulheres gordas a irem para a praia com a gente, e está bombando de
meninas super felizes que não veem a hora de chegar no evento para se sentir a vontade pra ficarem de biquíni ou maiô. E tem meninas de 14 anos e senhoras de 62 anos que não vão para a praia com vergonha do próprio corpo.


Buzo: Existe gordofobia ?
Joyce Preta Rara:
Existe sim, nos olhares, nos comentários, nas piadas sem graça.
Virou moda nas redes sociais colocar a hastag #Gordice para quanto se está em frente de muitas comidas.
Ou seja, no pensamento desses gordofóbicos o gordo só come, vive pra comer.
Fala sério. Por causa disso, que eu posto várias fotos pra calar a boca desse povo sem luz e incentivas as Rainhas Plus Size a saírem de casa, pois sempre falo: Sou do tamanho dos meus sonhos, por isso que somos grandes.


Buzo: Nas suas férias vc ostentou (positivamente falando), nos rolê.... temos que fugir do discurso da crise ?
Joyce Preta Rara:
Olha a crise sempre existiu, desde antes da escravidão negra.O Brasil foi colonizado pela crise.
Eu nunca consegui viajar nas férias dos meus antigos trabalhos, sempre tive vontade de viajar mas, nunca tive grana. Dessa vez consegui juntar um dindin através do meu salário de professora e alguns cachês recebidos em 2015 e passei cinco dias e de descanso e vários rolês por lá.
Mas, o que mais marcou nessa viagem é que eu tive o prazer de conhecer a Negra Gizza, era meu sonho desde 2002 conhecer ela, e da galera que eu admiro no Rap Nacional eu já conheci todos pessoalmente só faltava ela. E eu ainda passei o dia inteiro acompanhando ela em uma entrevista na rádio, almoçamos juntas e ainda ela me levou para conhecer o espaço Cufa lá em Madureira.
Foi dos sonhos passar um dia inteiro com uma pessoa que eu sou super fã.


Buzo: Ludmilla postou que ganha 1 milhão por mês, comprou lancha de 300 mil... vira referência ?
Joyce Preta Rara:
A galera querendo ou não, a Ludmilla já é referência para as meninas da periferia. Todas as meninas cantam as músicas dela, imitam os passos da dança querem o cabelo igual o dela.
E eu fico muito feliz em ver um progresso de uma mina preta, que nesse país mesmo sendo 53% da população ser preta, é raro ver esses casos, né.
Eu não vejo nenhum problema ela ter comprado uma lancha e o jet ski, é isso ai se tem grana pra gastar borá lá.
Eu li um monte de gente criticando dizendo que ela não deveria gastar essa grana toda e tal, só que aundo a Ivete Sangalo comprou o sei jatinho não ouvi ninguém criticar ou ditar o que ela pode ou não.
No Brasil já é de costume ver uma preta ou um preto não se dar bem na vida, quando o percusso muda, chove de criticas.
Todo mundo quer viver bem, eu não tenho o sonho de comprar uma lancha, mas um carro já seria maneiro, cansei de ficar no ponto de ônibus esperando o busão que demora pra vir.


Buzo: BlackFace no Rap, quando a gente pensa que já viu tudo...... o que vc tem a dizer sobre isso ?
Joyce Preta Rara:
Ai gente, 2016 já começou assim?
Quando eu entrei no face, um monte de gente me marcou na música desse menino sem informação, teve umas que começou cobrar a minha postura e ficou brava pq eu não conhecia o grupo. E era verdade eu nunca tinha escutado falar em vagabondes (só na vagabanda que era uma banda da época que eu assistia malhação kk)
É por isso que o Tio Sabotagem já dizia e deixou o legado eterno ai né: “O Rap é compromisso”
O cara tem internet no celular, no pc, no notebook, na lan house são tantos lugares e mesmo assim nem se preocupou em pesquisar.
Foi uma ofensa enorme, foi racista! Mesmo ele usando ao argumento que todo racista usa né: Tem preto no meu grupo, meu avó era negro e blá, blá, blá
Uma pratica tão antiga ganhando adeptos até hoje é de dilacerar o peito.


Buzo: Mano Brown com Naldo Benny, essas misturas são positivas? Clipe no Fantástico, é um caminho ?
Joyce Preta Rara:
Olha eu não sou fiscal do rap, cada um sabe o que faz né. Particularmente eu não curtia a letra, pq o Brown acostumou a gente com coisas phodásticas. Achei a junção ducaralho, mas pensei que viria uma música mais legal.
Mas, para a carreia do Benny foi da hora né, ter o Mano Brown no seu cd pra ele foi clássico demais, e tem um monte de gente que canta Rap e critica o Naldo que deve está se contorcendo, pq o funkeiro teve a participação do cara mais cabuloso do Rap rs!


Buzo: VC se define como rapper, poetisa ? O que vem por ai..... e salve pra quem vai ler essa entrevista ?
Joyce Preta Rara:
Eu sou Rapper, poestisa, turbanteira e professora de história.
E para 2016 vai vir muita garra pra continuar a propagar as ideias e eu quero divulgar o cd Audácia para o Brasil, Moçambique em Angola.
E quero aproveitar para a agradecer todo o carinho e respeito que eu recebo, seja pela internet ou pessoalmente, pra galera que curti meu trabalho, em especial para todas as mulheres que eu carinhosamente chamo de Rainhas.
E a gente segue aqui resistindo para existir sempre, e para as mulheres que são gordas, vocês são lindas hein.
Sou do tamanho dos meus sonhos.
Saudações Africanas,
Preta-Rara

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

10 entrevistas de 10 perguntas com 10 seguidores do Buzo no Facebook. 9/10 > ENTREVISTA EXCLUSIVA COM o rapper carioca "Slow da BF".......

Slow da BF como o nome já diz é da Baixada Fluminense, rimador das antigas e estudioso da cultura Hip Hop.
Nessa entrevista exclusiva, vamos saber um pouco mais da sua caminhada, vamos ?



***

Alessandro Buzo: Quem é o Slow da BF por ele mesmo ?
Slow da BF:
Sou MC e Grafiteiro da cultura Hip Hop.
Poeta. Improvisador. Fomentador. Oficineiro de Slam, Rap e Grafitti.
Sou amante de Vinil.
E repasso 100% do que aprendi. Já fui DJ e B Boy.
Estudioso profundo do Hip Hop. Dedico quase tudo ao Hip Hop.
Resumindo...
Eu sou Hip Hop.


Buzo: Quem é do Hip Hop em SP e se informa pouco, quando pensa no RAP no RIO fala de MV Bill, Marcelo D2 e pouco mais que isso, porque isso acontece ?
Slow da BF:
Do SP que conheço eu ouço as pessoas falando de Esquadrão Zona Norte e Quinto Andar. Sobre as partes e pessoas que não conheço, não sei.


Buzo: Quais os rappers ou grupos do RIO que VC curte ?
Slow da BF:
Principalmente os da antiga :
Artigo 288 (Do falecido Gilmar)
Ponto50 (Do falecido Lord Sá )
Nocaute (Do falecido NinoRap)
Poetas de Ébano.
Macarrão.
Contagem Regressiva.
Lataj Mahal.
3 Preto.
Consciência Limpa.
Familia Kapone.
Ramiro Mart.
Ciência Rimatica.
Black Alien e Speed Freaks.
E da nova geração :
Peso Lunar.
Sindicato Heterodoxo.
Autonomia.
Manifesto Coletivo.
Pés Descalços.



Buzo: Você faz RAP a muitos anos, quais as maiores dificuldades ? Tem algum álbum lançado, pretende lançar alguma coisa em 2016 ?
Slow da BF:
As dificuldades são muitas. Mas não me abalo.
Tenho mais de 100.000 cópias vendidas nas coletâneas que participei como EZN.
Um CD físico(Epidemia) que esgotou e hoje em SP se compra por R$ 100,00.
Em 2013 lancei mais de 30 faixas.(próprias e featurings )
Em 2014 lancei mais de 30 faixas. (próprias e featurings )
Em 2015 gravei mais de 30
faixas. (próprias e featurings)
Vou gravar mais de 30 esse ano e lançar 120 faixas em 4 anos.
Tá na Net...


Buzo: O funk carioca ganhou as ruas de São Paulo, uns acham cultura, outros que só traz coisas ruins nas mensagens, o que você pensa sobre esse assunto ?
Slow da BF:
Tem Funk RJ com mensagem. Tem Funk RJ de conteúdo. Só procurar.
O Funk Ostentação de SP também tá vindo para o RJ.


Buzo: O que você pensa de organizações ligadas ao Hip Hop (ou) periferia, como a CUFA, Afrorregae e outras.... ?
Slow da BF:
A Rua sabe quem é quem. Quem é, é.


Buzo: Você é um ótimo improvisador, qual a importância desse dom na sua carreira ?
Slow da BF:
Esse dom me levou a lugares que 99% de outros Rappers ainda não foram.
Abriu portas em lugares que nunca teve Hip Hop.
Meu dom levou pessoas e grupos do ponto A para o ponto B.
Aglutinou Instituições e Poderes que não se viam mesmo coexistindo.
Meu dom me deu muito.
Principalmente Respeito.


Buzo: O Rap carioca é unido ?
Slow da BF:
O ser Humano não é unido. Nenhum Rap de nenhum lugar do Planeta é unido.


Buzo: Sei que você lê, já comprou livros meus inclusive, qual a importância da literatura na sua vida e o que acha da chamada literatura marginal ?
Slow da BF:
Comprei todos os teus que estavam vendendo na época.
Já participei e de alguns livros.
Pretendo escrever os meus.
Acho que a L.M é o efeito colateral desse sistema podre.
É Literatura dos que estão na margem ou além da margem.


Buzo: 2015 não foi fácil.... mas cite 3 coisas boas e manda um salve pra quem conferiu essa entrevista ?
Slow da BF:
Foi Punk esse ano.
1 O Segundo Livro que o Kase One e o MC Who (O Credo) estão fazendo. (Talvez venha mais livros).
2 O primeiro Slam Poetry do RJ (Tagarela) que está indo em lugares que poetas e Slameros não foram.
3 Os Encontros de DJS tocando em vinil no RJ que estão lindos e aumentando e os Encontros de Grafitti que estão colorindo as Favelas.
Um salve ao Hip Hop Original.

domingo, 3 de janeiro de 2016

10 entrevistas de 10 perguntas com 10 seguidores do Buzo no Facebook. 8/10 > ENTREVISTA EXCLUSIVA COM "Jéssica Balbino".

Ela atua tanto no Hip Hop que até parece que mora no eixo Rio-SP, mas não.... Jéssica Balbino é de Poços de Caldas-MG.
Além de pesquisadora e escritora, agita eventos, faz assessoria de imprensa de grupos como o Inquérito e entra nas lutas mais difíceis, sofre com isso, mas diz que "vale a pena"....
É gorda e luta contra a GORDOFÓBIA, é mulher, feminista é claro.... entre outras.
Falamos de tudo isso e um pouco mais com ela, vamos conferir ?



***


Alessandro Buzo: Você lê muito, quantos livros leu em 2015 ? Indique um que gostou muito?
Jéssica Balbino:
Olha, eu leio menos do que eu gostaria, viu! Eu tô estudando, então eu li muitos livros acadêmicos, que acabei nem listando. Dos que eu li como entretenimento mesmo, foram 38 em 2015, mas já teve ano de eu ler quase 70 (risos). Entre os que eu mais gostei neste ano estão “O livro dos negros” (Lawrence Hill), que é narrado por uma personagem feminina, criança na África, que foi escravizada e levada para os Estados Unidos. Toda a vida dela é narrada desde a infância, com os pais, até a morte, lutando pela abolição em Londres. Vale muito a leitura para quem quer conhecer mais sobre os navios negreiros, a forma como os senhores tratam os escravos, as lutas mesmo para quem consegue fugir. Enfim, foi um livro que mexeu muito comigo. Indico também os livros da Chimamanda Ngozi Adichie. Ela é muito querida já no Brasil. Em 2015 eu li “Americanah” e “Meio Sol Amarelo”. Gostei de ambos, mas “Meio Sol Amarelo” trata da guerra na Nigéria e é bem bonito. Mostra, principalmente, como os problemas com dinheiro, guerras e sangue não podem afetar o que somos. As protagonistas são duas irmãs.

Alessandro Buzo: Algum plano pra lançar um novo livro seu em 2016 ?
Jéssica Balbino:
Ah! Eu tenho muita vontade de publicar algo, mas ainda não tenho nada pronto. Eu escrevo bastante, mas são mais reportagens ou ensaios. Talvez eu reúna isso numa publicação, mas eu tô bem focada em terminar minha pesquisa sobre as mulheres na literatura marginal/periférica.


Alessandro Buzo: Você postou fotos sua de biquíni na praia e a liberdade de ser "gorda" e ter esse direito, eu sou gordo também, qual foi a repercussão ?
Jéssica Balbino:
Durante muito tempo, eu sofri por ser gorda. Eu tentei emagrecer, fiz todas aquelas dietas malucas, chorei em silêncio, em público, me privei de muita coisa, mas, faz uns anos, entendi que não precisa ser assim. Eu sou gorda por um fator genético e não existe dieta no mundo que mude isso. As pessoas tem mania de achar que pessoas gordas comem muito, são preguiçosas, porcas, entre outras coisas, e isso não é verdade. A maior parte das pessoas gordas são assim por uma característica genética. E como eu vou brigar com uma minha genética. Eu não como muito, eu pratico exercício, eu sou saudável. É o mesmo que um negro querer ser branco. Ele só vai se machucar.
Quando eu entendi isso, percebi que eu já era muito do que eu gostaria de ser como pessoa, como profissional, e que, agradando o padrão estético da sociedade ou não, eu sou o que sou gorda. Peso 120kg, tenho estrias, celulite e eu tinha duas opções: ser feliz comigo mesma, ou guerrear contra eu mesma. Eu escolhi ser feliz.
Nunca antes na história desse país (risos), se falou tanto em gordofobia, pressão estética e feminismo, e está tudo interligado. Eu já postava fotos de biquíni desde a época do Orkut, quando o Facebook e o instagram nem existiam, mas, não faziam tanto barulho. Neste ano, fui pra Cuba e quando voltei, resolvi postar as fotos, acompanhadas de textos sobre isso. É um contrate muito grande, porque enquanto meus “amigos” compartilham fotos de shakes, dietas milagrosas, se matando na academia e nas corridas, e outros compartilham piadas com fotos de mulheres gordas, eu estou feliz da vida, de biquíni, na praia, vivendo, construindo, etc. Então, é também uma provocação de valores. Teve uma foto em que eu escrevi: como devem sofrer as pessoas que são escravas do próprio corpo me vendo com a barriga grande de fora sendo feliz no Nordeste. E é isso. Não quero julgar o estilo de vida de ninguém. Mas eu optei por não ser escrava e luto sim, pelo fim das piadas, da ridicularização, etc. Porque, embora eu esteja bem, existem problemas sociais que afligem os gordos: as cadeiras são pequenas, as privadas também. Os assentos no avião são minúsculos, a roleta do ônibus impede uma pessoa gorda de passar. E isso tudo por quê? Porque os estereótipos são reforçados. As pessoas gordas são rechaçadas o tempo todo. A gordofobia mata quem não tem autoestima, quem não consegue se encaixar no padrão. E fica a reflexão: quem consegue ser perfeito para estar no padrão doentio criado pela sociedade? Ninguém!
Tenho estado muito engajada nessa frente. Tenho me empenhado em chamar a atenção para este fato. Uma pessoa gorda e feliz incomoda a sociedade. Incomoda quem vive na busca frenética pelo corpo ‘perfeito’. Meu corpo é perfeito. Ele é saudável e isso é tudo. Eu me sinto bem e bonita assim.
Por outro lado, há quem se incomode tanto com isso, que usa um discurso de falsa preocupação com a saúde para justificar a gordofobia. Eu posto uma foto na praia, de biquíni e a pessoa comenta: obesidade é doença. Sim. Obesidade é uma disfunção do organismo, mas não quer dizer que eu vou morrer por estar ‘acima’ do peso. Significa apenas que meu metabolismo não funciona como o de uma pessoa magra. Quando alguém diz isso, parece que gordos comem mal, quando dos 7 dias da semana, em pelo menos 5 eu almoço coisas saudáveis. Entende? Aí vem a pessoa dizer que ela está preocupada com a minha saúde. Sério mesmo? E por que ela não se preocupa com a minha queda de cabelo? Comigo quando eu tive depressão? Com as crianças que morrem de câncer todos os dias? Ninguém está preocupado com a saúde de ninguém. As pessoas estão incomodadas com os corpos das outras, especialmente se este for um corpo gordo se divertindo na praia.


Alessandro Buzo: Você é ultra, mega engajada em várias frentes, alguma vez isso te cansa, pensar em deixar pra lá?
Jéssica Balbino:
Sim. Eu penso em abandonar várias coisas todos os dias. Há momentos em que eu fico esgotadíssima. Porque eu trabalho muito. Como jornalista, nunca tive uma rotina normal, em dias normais da semana. Sempre trabalhei em feriados, dias santos, finais de semana, e isso me tornou meio que ‘workaholic’. Sou uma pessoa que tem dificuldades para relaxar e se divertir. Eu tô sempre enxergando trabalho, sempre enxergando onde posso e devo militar. Mas, não sei ser diferente. Eu tento focar, tento diminuir o ritmo, estabelecer prazos e prioridades, mas nem sempre eu consigo. É um conflito muito grande comigo mesma. Isso me afasta de ‘amigos’, de pessoas, enfim. Sabe quando você se torna a chata do rolê? A ‘espalha roda’? Pois é. Isso acontece comigo. Mas, tô tentando aprender a lidar.


Alessandro Buzo: O que te motiva a lutar pelo próximo?
Jéssica Balbino:
Acho que vem da personalidade, né? Eu não suporto injustiça. Então, aquilo que dói em mim também, transformo em luta. Isso se aplica ao hip-hop, que sempre foi um pilar, seguido da literatura e através disso tudo, conheci o feminismo, pela Frente Nacional de Mulheres do Hip-Hop (FNMH²) e o empoderamento que vem através disso é irreversível. Você começa a enxergar o que está errado e eu sou ‘mulher elétrica, 3 mil volts’. Não consigo parar. Eu quero mudar o que está errado. E só sei fazer isso lutando.


Alessandro Buzo: #NãoPoetizeoMachismo ...... Valeu a pena? Trouxe resultados positivos?
Jéssica Balbino:
É importante dizer que eu não sou a única articuladora da campanha #NãoPoetizeoMachismo. Ela surgiu naturalmente por meio de várias mulheres que se sentiram, em algum momento da trajetória, ultrajadas nos espaços culturais, por atitudes machistas. Eu não estou mais à frente do movimento que foi criado, mas acompanho.
Valeu a pena sim. Foi muito importante para todas as mulheres que se conectaram com isso, ver que elas não eram as únicas, que elas não estavam sozinhas. Quase simultaneamente surgiu a campanha #MeuAmigo Secreto, que fez relatos semelhantes e que nos uniu ainda mais. Foi importante identificar o modus operandi de alguns homens, que fizeram várias vítimas nesse circuito de saraus. Foi legal pra gente entender também como se defender.
O que fica, disso tudo, é que como um relato de abuso pode ser empoderador e que não devemos, nunca, nos calar. Que a mulher tem que falar. Tem sim, que fazer um escândalo. Quando uma mulher relata um abuso sofrido, outra, que nem encarava aquilo como abuso, passa a enxergar que também foi vítima. E assim, conseguimos romper com o ciclo do machismo na sociedade.


Alessandro Buzo: Sofreu represálias, se sim, como encara isso?
Jéssica Balbino:
Eu posso falar por mim. Eu sofri represálias, sim. O que mais machuca é saber que os homens que frequentam os saraus são caras que conhecem a nossa luta, que estão conosco no dia a dia, que se tiverem qualquer dúvida sobre machismo, vão poder nos questionar a qualquer momento, e vamos ter uma conversa franca, e foram estes mesmos homens que abusaram da gente, diretamente. São homens que lutam contra a opressão dos negros, dos pobres. Que tem o poder da palavra no microfone, no megafone, nos livros. E que clamam e bradam por justiça o tempo inteiro, mas que nos cantos escuros, abusam das mulheres. A agressão veio de homens que considerávamos irmãos de luta. E isso foi o que mais machucou.
E claro, estar próxima disso tudo. Estar lutando pelas mulheres, mas trabalhando com homens, rendeu ameaça, amizades rompidas, certezas lançadas pela janela. Mas eu encaro isso como um processo natural. Quando eu tirei uma foto escrito no meu corpo #NãoPoetizeoMachismo, sabia que estava dando a cara a tapa e indo pro combate.
Combate este que incluía gente bem próxima. Amigos que eu considerava como irmãos. Mas era inevitável. Tudo na vida são escolhas, são posicionamentos. Eu escolhi me posicionar como mulher, muitas vezes agredida por homens nos saraus, e quando eu falo agressão, são várias as formas. Silenciamento, convidar mais homens que mulheres, só dar destaque pra homens na hora da foto, agradecer todo mundo, mas esquecer da mulher que fez todo o corre bruto, preterir mulheres, não ouvir quando elas vão ao microfone, fazer poesias machistas, agarrar à força, xavecar, tentar olhar a calcinha, encoxar sem querer, abusar sexualmente, psicologicamente, entre outras coisas. Mas, muitos homens se negaram a reconhecer seus lugares de opressões, a mudar, etc. Muitos só disseram: borandar aqui pra frente. Sim. Nós vamos andar de agora em diante, porque não dá pra mudar o passado, mas a gente pode rever onde errou e tentar mudar, tentar compensar o erro. É igual o branco que escraviza o negro e depois de anos diz: desculpa, tá aqui a sua lei áurea. Ok. Mas e ai? Esse negro faz o que com o tempo que perdeu? Com a liberdade agora?
Foi o que muitos homens do rolê fizeram com as mulheres. Mas, valeu a pena sim. Toda forma de empoderamento feminino vale muito a pena. Eu tô ainda bem machucada com tudo isso. Deixei de frequentar espaços que eu frequentava por algum tempo. Mas também tô forte. Tô pronta pra seguir lutando.


Alessandro Buzo: Cite 3 coisas boas de 2015 ?
Jéssica Balbino:
1º - A marcha que as mulheres fizeram contra o deputado Eduardo Cunha e o projeto de lei que pretende dificultar o acesso ao aborto em casos de estupro. Milhares foram às ruas. E isso significa empoderamento.
2º - O fortalecimento e expansão do meu projeto Margens (www.margens.com.br) que mapeia as mulheres que escrevem em todo o Brasil.
3º O aumento no número de publicações vindas de escritores periféricos.



Alessandro Buzo: Quais seus planos pra 2016, culturalmente falando ?
Jéssica Balbino:
A ideia é encerrar minha pesquisa – que é também minha pesquisa de mestrado – que tem como objetivo mapear quem são as mulheres da literatura marginal/periférica no Brasil. Já criei um mapa, ainda provisório, disponível no (www.margens.com.br) e neste mesmo endereço estou construindo uma reportagem 360º sobre o tema. A ideia é romper com os muros da academia e transformar a pesquisa em algo acessível pro público, pra massa, pra quem está participando. Tem sido intenso, desgastante, mas muito gratificante. Conheci mulheres incríveis e que fazem uma literatura excelente.


Alessandro Buzo: Pra finalizar, vem mais luta por ai ? Quais......
Jéssica Balbino:
As lutas não param, né. Acho que sobreviver no Brasil, vivendo de arte e cultura, sendo mulher, gorda e periférica já é uma luta diária. Não dá pra prever o que vai acontecer, mas sabemos que politicamente temos bancadas que querem exterminar negros, pobres e limitar mulheres a serem objetos de satisfação do desejo masculino, sem direitos, portanto, vamos seguir nas mesmas pautas. E eu, na vida pessoal, sigo com o projeto Margens, que tem sido a prioridade e que, indiretamente, fala sobre tudo isso, por meio das poesias feitas pelas mulheres.
No mais, agradeço o carinho, o espaço e a amizade.



Jéssica Balbino e Alessandro Buzo